in

Entrevista com Rodolfo Peres

Em Dezembro de 2005 , Waldemar Guimarães lançava mais um livro, Guerra Metabólica. Era mais uma obra que seguia o padrão polêmico dos livros anteriores, com muita informação de qualidade sobre drogas, ciclos e nutrição dirigida aos camaradas que treinam com afinco e dedicação.

Consegui colocar as mãos no livro logo na primeira semana após o lançamento oficial. Quando olhei a capa percebi um detalhe que fazia desse livro um divisor de águas na coleção escrita pelo Waldemar. Havia um co-autor e ele se chamava Rodolfo Antero de Noronha Peres.

Poucos meses depois,visitando a Iron Works em Londrina, tive o prazer de conhecer esse cara pessoalmente. Cheguei na Iron Works pela manhã e estava esperando o Waldemar. Pouco tempo depois chega o Rodolfo- “Você que é o Miguel? O Waldemar me disse que você viria.” – Respondi que sim e começamos a conversar. O Rodolfo é um cara muito simpático, educado e atencioso. Excelente profissional e conhece muito sobre nutrição direcionada ao treino com pesos. Nesse mesmo dia fui almoçar sozinho, pois tanto o Waldemar quanto o Rodolfo tinham seus compromissos. Logo após o almoço já fui direto para a academia.O Rodolfo já estava lá, começamos a conversar novamente. Minutos depois a secretária me avisa que o Waldemar havia acabado de ligar pedindo para que eu fosse o encontrar na casa dele. Como eu não sabia onde era o endereço, o Rodolfo imediatamente se prontificou a me acompanhar até lá. Desde então nos tornamos bons amigos, não nos vemos com muita freqüência, mas é sempre um prazer poder estar ao lado de pessoas como o Rodolfo e o Waldemar.

A inauguração da área de artigos do novo site Diário do Culturismo e o lançamento do mais novo livro da dupla Waldemar-Rodolfo, chamado “Are you Ready?” criou a oportunidade perfeita para uma entrevista. Espero que gostem.

Miguel Chain:Rodolfo, em primeiro lugar gostaria de agradecer muito sua contribuição para o site. Mas vamos deixar de conversa. Fale um pouco de sua vida, como resolveu estudar nutrição, quando começou a treinar etc..

Rodolfo Peres: Primeiramente quero deixar claro ser um prazer ser entrevistado por um grande amante da musculação e amigo como você Miguel. Comecei a treinar com 12 anos de idade devido a apresentar um quadro de obesidade infantil. Desde o início sempre procurei auxílio de profissionais de nutrição. Quando o assunto era redução de gordura corporal, tudo bem, mas quando meu interesse passou a ser ganho de massa muscular, observei uma grande defasagem nesta área. Praticamente não existia no Brasil nutricionistas esportivos. Portanto, comecei a estudar o assunto por conta própria, muito antes de entrar na faculdade aos 17 anos. Durante o curso, sempre dei maior ênfase a área esportiva, pois já sabia que seria minha futura área de atuação. Logo após o término da graduação em nutrição, especializei-me em nutrição esportiva.

MC:Como você conheceu o Waldemar?

RP: O Waldemar ainda residia na Inglaterra e em uma de suas visitas ao Brasil, ministrou um curso em Londrina. Isso foi há mais de 10 anos. A partir deste curso, passei a admirar o trabalho do Waldemar, e me tornei seu fã e amigo. Desde essa época, já tinha como objetivo trabalhar ao lado deste grande profissional.

MC:Como surgiu a oportunidade de escrever o livro Guerra Metabólica junto com ele?

RP: A co-autoria do Guerra Metabólica foi apenas uma conseqüência de diversos trabalhos que realizamos juntos, tais como: assessoria de diversos atletas e demais pessoas não atletas, artigos, palestras, etc. Atualmente estamos lançando um novo livro também em co-autoria, o “Are You Ready?”.

MC: Quais atletas vocês estão sob seus cuidados este ano?

RP: Infelizmente não conseguimos monitorar um número muito grande de atletas ao mesmo tempo. Este ano de 2007 estamos acompanhando alguns:

Loana Muttoni

Gal Ferreira

Duda

Gerson Guimarães

Fernando Maradona

Diana Monteiro

Ricardo Magalhães

MC: Você poderia nos dizer como é a dieta de um deles ( não precisa detalhar, diga de uma forma geral)

RP: É difícil especificar a dieta de um determinado atleta, pois isto depende de diversos fatores individuais e a distância das competições em que o atleta se encontra. No livro “Are You Ready?” apresentamos detalhes sobre a dieta de diversos de nossos atletas.

MC: Qual foi o(a) atleta com o qual você obteve os maiores resultados quando alterou a dieta (mudando da dieta que ele seguia antes de trabalhar com você) ? O que foi alterado?

RP: Sempre que alteramos a dieta de algum atleta o resultado é impressionante. Muitas vezes observamos pessoas que confiam muito mais em drogas ou suplementos milagrosos, do que na dieta em si. Logicamente, o resultado ainda é mais expressivo quando regulam-se vários fatores concomitantemente, tais como treino, nutrição e descanso. Isso aconteceu com o atleta Gerson Guimarães há alguns anos. O mesmo apresentou um ganho aproximado de 15 kg de massa magra em um ano após a regulação destes fatores.

MC: Tive a oportunidade de conversar muito com o Hany Rambod, quando ele veio ao Brasil junto com o Coleman. Ele não me contou nenhum segredo, claro, mas me disse coisas muito interessantes sobre nutrição. O que você acha do trabalho dos nutricionistas/gurus americanos como o Hany ou o Chad Nichols?

RP: Sem dúvida, admiro muito o trabalho deles, sem falar no grande Cris Aceto. Os métodos de trabalho destes grandes profissionais certamente seria criticado por quase a totalidade dos nutricionistas do Brasil. Isto demonstra o grande atraso desta área em nosso país. Hoje com a globalização e a maior facilidade na obtenção de informações, os profissionais de nutrição esportiva no Brasil possuem condições de estarem bem próximos dos profissionais norte-americanos, australianos, russos ou ingleses. Muitos ainda acham que a diferença do físico de um atleta que participa do Mr. Olympia para um campeão brasileiro é uma droga mirabolante ou algum suplemento milagroso. Mas a principal diferença traduz-se em conhecimento. Isto pode ser comprovado considerando-se que o lançamento do livro Anabolismo Total pelo Waldemar há uma década revolucionou a musculação no Brasil, elevando muito o nível dos competidores.

MC: Qual a sua recomendação número um para o cara já treina a um tempo e quer aumentar a massa muscular?

RP: Procure um nutricionista esportivo e ajuste 100% sua dieta.

MC: Qual o fator nutricional mais negligenciado por um atleta que treina com pesos?

RP: A gordura é o macronutriente mais negligenciado pelos praticantes de musculação. Como deveria ser a ingestão de gorduras na fase de ganho de massa e na fase de definição? Quais as fontes?

Em torno de 20 a 25% das calorias totais da dieta em ambos os períodos, não ultrapassando 1/3 de gorduras saturadas. os demais 2/3 deveriam provir de fontes insaturadas.

MC: É possível alguém chegar em uma boa condição de definição, com 3 ou 4 % de gordura sem usar nenhum tipo de droga auxiliar?

RP: Sem dúvida sim. A maior dificuldade seria a manutenção da massa magra deste indivíduo. Caso não exista uso de drogas anabólicas, seria interessante o uso suplementos anti-catabólicos

MC: Se fala muito em manipular a dieta para que se perca o máximo de gordura e o mínimo de massa muscular. Como Conseguimos isso?

RP: Uma dieta rica em proteínas, baixa em gorduras, moderada em carboidratos, contendo uma quantidade adequada de vitaminas, minerais, fibras e água, ainda é o melhor caminho.

MC: Estou preparando um pequeno artigo sobre como proceder na última semana antes da competição. Como devem ser os treinos e a dieta, consumo de água etc. Com certeza pedirei alguma colaboração sua. Mas você poderia nos dar uma visão geral de como deveria ser feita a dieta na última semana do campeonato? Sabemos que isso vai variar muito de pessoa para pessoa e muitos fatores entram na jogada, mas nos dê uma geral por favor.

RP: Muitos atletas utilizam a compensação de carboidratos, mas outros apresentam-se em ótimas condições uma semana antes, não sendo necessário este expediente. Na compensação de carboidratos, retira-se quase completamente o carboidrato da dieta durante três dias, seguindo pela gradual introdução deste nutriente nos quatro dias posteriores. Não devemos também eliminar totalmente o sódio nas vésperas da competição, pois esta prática tente a proporcionar um efeito rebote no organismo, proporcionando retenção hídrica. Uma super-compensação hídrica também pode ser utilizada, aumentando-se a ingestão de água gradativamente, eliminando-se esta quase por completo algumas horas antes da apresentação. Vale ressaltar que de nada adianta todas estas dicas para a última semana se a preparação anterior for um desastre. Quanto antes uma ótima preparação for iniciada, mais chances de se apresentar bem este atleta terá.

MC: Rodolfão, é isso muito obrigado pela contribuição e pela força e apoio que você sempre dá. Se quiser deixar um e-mail ou telefone para contato relacionado com assessoria ou palestras fique a vontade.

RP: Para mim foi um prazer Miguel. Contem sempre comigo e qualquer dúvida, podem entrar em contato:

nutricionista_rodolfoperes@yahoo.com.br ou www.waldemarguimaraes.com.br

Bom Treino a todos!